13 de março de 2020 Karin Nisiide

Dicas de como transformar seu hostel em Pet Friendly e atrair um nicho de mercado

O Brasil tem a segunda maior população de pets do mundo, de acordo com dados do IBGE: são 52,2 milhões de cachorros e 22,1 milhões de felinos. Os dados também mostram que no território brasileiro, existe um número maior de famílias com cachorros do que com filhos. 

Os animais de estimação se tornaram membros das nossas famílias. Independente da classe social, esse nicho tem cada vez mais ganhado força no mercado, com tratamentos quase humanizados, movimentando bilhões de reais em serviços e produtos.

E no setor de hospedagem não seria diferente: quem tem animal de estimação, geralmente vive um dilema quando precisa viajar.

Por essa relação afetiva e familiar, os donos de pet cada vez mais dão preferência por viajar acompanhados dos seus fiéis companheiros. 

A aceitação de animais, ou seja, a característica de ser um estabelecimento pet friendly já virou critério para muitos na hora de fechar uma reserva, o que demonstra que seu hostel, hotel ou pousada devem estar atentos a esse nicho cada vez mais expressivo de mercado.

Veja as dicas que a HQBeds trouxe para você aproveitar essa oportunidade e transformar seu hostel em Pet Friendly, atraindo um nicho de mercado crescente:

O que é ser Pet friendly?

Ser pet friendly significa que o estabelecimento aceita receber animais de estimação. Simples né? Mas, obviamente, apenas isso não é o suficiente: é preciso, além de aceitar os bichinhos, ter a estrutura adequada para recebê-los em seu estabelecimento.

Para se tornar pet friendly, é preciso planejar como será essa aceitação de animais. Você precisa definir quais serão os animais aceitos, se serão só cães ou gatos, pássaros, etc. O porte dos animais a serem aceitos é outro ponto importante de ser definido, além da quantidade de pets aceitas por quarto.

Restrições comuns em estabelecimentos que aceitam cachorros

  • Alguns hotéis impõem limites de peso, tamanho ou raças consideradas perigosas
  • Existe também limites de número de pets por quarto, ou número total de pets na casa
  • Os animais podem ser proibidos de ficar sozinhos no quarto
  • Eles podem não ser permitidos em algumas áreas do local, como piscinas ou restaurantes
  • Os animais devem ser treinados e manter silêncio
  • Tutores são responsáveis por limpar a bagunça do bichano
  • Cobrança de uma taxa extra pela hospedagem (para gastos com tapete higiênico, limpeza extra, higienização da caminha, etc)

Como se tornar Pet Friendly?

Faça um estudo da sua estrutura e trace um plano, com regras bem definidas. 

Algumas sugestões para o seu plano:

Exija documentação do pet

Um aspecto que não pode ser esquecido e que deve ser informado no momento da reserva diz respeito à documentação, afinal, o pet não pode colocar em risco a saúde dos demais hóspedes.

Por isso, a solicitação da carteira de vacinação no momento do check-in é bastante importante e, além de informado no momento da reserva, também, deve estar divulgado de modo visível na portaria do estabelecimento – assim, até quem não possui animais vai entender os critérios para aceitação dos bichinhos no local e ficarão mais tranquilos.

Defina a área de circulação dos pets

Deve-se pensar em quais áreas os pets poderão circular. Eles poderão circular no bar, restaurante ou piscina? Poderão subir nos sofás? Poderão dormir na cama junto com o dono?

É importante criar regras sobre a circulação dos bichinhos para que a convivência entre todos os hóspedes possa ser harmoniosa.

Além disso, defina se o bichinho poderá ficar no estabelecimento na ausência dos donos. Alguns tutores levam seus animais nas suas viagens, mas acabam os deixando presos no quarto, causando incômodo de latidos e choros para os outros hóspedes. 

Estruture seu estabelecimento

Existem estabelecimentos em que os bichinhos devem dormir em um canil. No entanto, essa não é a opção preferida dos donos, e geralmente limita a escolha.

Já outros empreendimentos permitem que os bichinhos durmam nos quartos, mediante a cobrança de uma taxa extra. 

Se você optar por essa opção, deixe caminhas preparadas nos quartos para os animais, afinal, eles também são hóspedes e precisam receber o melhor tratamento.

Se no quarto houver varanda, coloque lá a fralda, tapete higiênico ou a caixinha que servirá de banheiro para o pet, além de potinho de água e ração, lembrando de que elas devem ficar de lados opostos para que os animais possam fazer suas necessidades e comer em pontos distintos da sacada, ou do local escolhido.

O piso também precisa ser pensado para facilitar, inclusive, na hora da limpeza dos quartos que receberem os pets. Utilize, preferencialmente, pisos frios ao invés de tapetes e carpetes, não apenas nos quartos, mas em todo o local em que houver trânsito de pets.

Ter itens de emergência, como fraldinhas, tapetes higiênicos e alguns brinquedinhos é fundamental, pois os donos podem precisar e vão se sentir valorizados ao ver que o hostel também se preocupa com o bem-estar do pet.

Ofereça serviços adicionais e comodidades 

Também é interessante oferecer um serviço de dog walker ou uma parceria com pet shop próxima ao seu hostel, para os momentos em que o dono quer passear e não quer ou não pode deixar o pet. 

Como citado anteriormente, alguns estabelecimentos não permitem a permanência do animal sem o tutor, pois mesmo sendo animais tranquilos, em locais que não estão acostumados podem se sentir estressados e ter reações diferentes das que teriam no seu habitat.

Treine sua equipe

É preciso que a equipe de seu hostel esteja preparada para lidar com seus hóspedes de quatro patas, sobretudo no que diz respeito à receptividade, empatia no trato com os bichinhos, às regras para a boa convivência e serviços adicionais oferecidos em seu estabelecimento.

Faça uma boa divulgação

Depois de todas as adaptações, é só divulgar o serviço. Mostre isso no seu site, nas redes sociais e até nos sites de reservas que hoje são bastante utilizados por quem pensa em fazer uma viagem. As OTAs como Booking.com já possuem opção de filtros para quem quer viajar com pet. Não esqueça de inserir essa informação em todas as OTAs que você trabalha.

Faça também pacotes especiais e se mostre realmente preparado para receber os hóspedes com seus animais de estimação. Esse é um diferencial que pode atrair um bom público para seu estabelecimento, portanto, invista em uma boa divulgação.

Tagged: , , , ,

About the Author

Karin Nisiide
Karin Nisiide Proprietária do Tetris Container Hostel, em Foz do Iguaçu. Startup Update your hostel! Arquiteta e urbanista por formação, largou tudo para trabalhar com turismo. Ama viajar e sempre que pode está visitando e conhecendo hostels pelo mundo afora, para escrever as histórias de sucesso do Mochilão da hq!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *