30 de agosto de 2019 Karin Nisiide

Encontrando novos nichos de mercado

Já se foi o tempo em que hostels eram sinônimo de hospedagem barata e com poucos recursos. Cada vez mais os hostels têm ganhado espaço na hotelaria, e estudos mostram que, mesmo com uma renda média global menor, o público de hostel gasta em níveis semelhantes ou até maiores do que a população viajante em geral e costumam ficar mais tempo nos locais que visitam. 

O perfil do hóspede de hostel também têm mudado, é um público mais exigente, informado, que busca experiências e oportunidades.

Não basta colocar um monte de camas em uma casa grande e esperar os hóspedes chegarem. Para se fazer um hostel que funcione, é necessário fazer um planejamento e estudo do mercado, e encontrar um nicho de negócio.

Existem nichos que estão cada vez mais evidentes, e que merecem um olhar mais atento.

Se, no Rio de Janeiro, o mercado de hostels é conhecido pelos milhares de turistas estrangeiros que buscam aproveitar as belezas da cidade, a capital paulista é mais tradicional pelo turismo empresarial. E assim acontece em todos os destinos. Mas dentro disso, existem nichos de mercados que podem ser explorados, de acordo com o perfil de cada destino.

Vamos dar aqui alguns exemplos de nichos de mercado que você pode explorar. E quem sabe você não se inspira para buscar um nicho de mercado só seu?

Afinidade cultural

Seu destino recebe turistas estrangeiros do mundo todo, mas em especial uma nacionalidade específica?

Comece a explorar esse nicho de mercado.

Muitos dos mochileiros que passam meses viajando escolhem um hostel para ficar onde se sintam em casa.

Um exemplo disso é o Social Hostel, do Rio de Janeiro.

Eles viram que existia um grande número de turistas de Israel, que tinham demandas diferenciadas dos outros hóspedes, e decidiram investir nesse público. 

Transformaram seu hostel em ‘um cantinho de Israel no Brasil’, como os próprios hóspedes chamam, trazendo comidas locais, festas tradicionais, e capacitando os funcionários a falar o idioma, entre outras ações. E o resultado veio rápido: conseguiram expandir em pouco tempo e hoje contam com 4 unidades.

Conheça a história completa do Social Hostel Rio de Janeiro.

Pet Friendly

Os animais de estimação se tornaram membros das nossas famílias. Independente da classe social, esse nicho tem cada vez mais ganhado força no mercado, com tratamentos quase humanizados, movimentando bilhões de reais em serviços e produtos.

Quem tem animal de estimação, geralmente vive um dilema quando precisa viajar: onde deixá-lo? Ele será bem cuidado? Será alimentado adequadamente? Irá brigar com outros bichinhos? Sentirá a falta do tutor? 

Por essa relação afetiva e familiar, os donos de pet cada vez mais dão preferência por viajar acompanhados dos seus fiéis companheiros. 

Se você quer atrair esse nicho de mercado, você deve fazer algumas mudanças no seu estabelecimento: os animais de estimação exigem cuidados diferenciados, seja na estrutura como na rotina da limpeza e no preparo da equipe para receber esse novo nicho de hóspedes.

Analise se seu espaço comporta essas adequações e agarre essa oportunidade de negócio!

Body and soul

A preocupação com o bem-estar e a saúde é uma das características da sociedade moderna. 

Cada dia mais surgem produtos ou serviços voltados para o bem-estar, e os hostels também podem estar focados nesse nicho de mercado.

Os esportes criam laços de afinidade entre os hóspedes. Quer jeito melhor de criar laços com outros mochileiros praticando seu esporte favorito? Ou aperfeiçoar a sua postura contemplativa de yoga em uma praia com seus colegas de quarto em um belo pôr do sol ao fundo?

Você pode atrair grupos com afinidades esportivas, e adeptos de uma vida saudável, criando uma grade de aulas dentro do seu espaço, e fazendo divulgação dentro das comunidades específicas do mercado que você quer atingir.

Além disso, você pode criar um cardápio de comidas saudáveis, tanto para um café ou restaurante dentro do seu hostel, como no seu próprio café da manhã, incentivando o consumo consciente e a preocupação com o bem-estar.

O Hostel Alice, em São Paulo, acreditou nessa proposta e abriu uma padaria vegana anexa ao hostel. Além disso, possuem eventos voltados ao bem-estar, aulas de yoga, e também são petfriendly. Veja a história completa aqui.

Design hostels 

Se por um lado temos o público de hostel que gosta da economia compartilhada, por outro temos um público crescente que não se preocupa tanto com a sua economia pessoal, mas gosta de viajar em ambientes multiculturais e dá importância para as experiências.

Esse público gosta de um bom design, beber um bom coquetel ao som de boa uma trilha sonora, um serviço mais personalizado, mas não abre mão do compartilhamento de experiências e cultura.

Para os hostels que se adaptaram a esse nicho, surgiu a denominação Poshtel, uma mistura de posh (chique) com hostel. 

A estrutura de um poshtel deve ser diferenciada e atrativa, além de possuir diferenciais de serviços, passeios e eventos. Além disso, deve contar com uma boa área propícia para trabalho, pois essa tipologia atende bem os jovens executivos que viajam sozinhos mas não gostam da solidão de um hotel.

Esse nicho requer um investimento maior, mas estudando bem seu mercado, pode ser uma opção viável e rentável.

Estrutura como atração principal

Ser ousado e abusar da criatividade na hora da construção costuma atrair pelo diferencial. Estruturas despojadas, decorações temáticas ou até mesmo inusitadas chamam atenção de viajantes do mundo todo.

Atualmente fala-se muito dos 3Rs: Reduzir, reutilizar, reciclar. Nessa temática, você pode utilizar de estruturas pré-existentes para fazer algo realmente único.

Como exemplos, podemos citar o Tetris Container Hostel, em Foz do Iguaçu, que foi o primeiro hostel construído em containers marítimos, onde o hóspede tem uma experiência diferenciada dormindo dentro de grandes caixas de aço; o Jumbo Stay, um inusitado hostel dentro de um avião, que fica num aeroporto da Suécia; o Prision Hostel, onde você pode se hospedar dentro de uma antiga prisão em Karosta, na Letônia onde a experiência, no mínimo diferente, traz a sensação para o hóspede de como é dormir atrás de uma cela; ou o Kadir’s Tree House, que oferece uma experiência que todo mundo já sonhou em ter: morar em uma casa na árvore.

Seja criativo e encontre um nicho de mercado diferenciado!

Tagged: , ,

About the Author

Karin Nisiide
Karin Nisiide Proprietária do Tetris Container Hostel, em Foz do Iguaçu. Startup Update your hostel! Arquiteta e urbanista por formação, largou tudo para trabalhar com turismo. Ama viajar e está no momento se aventurando pela Ásia, em busca de experiências novas e mais conhecimento na área de hostels.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *